Preocupada com desindustrialização, Fieto alerta para criação de eixo de desenvolvimento

1 de julho de 2013 por   -  Sem comentários

Alerta ocorreu durante o Dia do Empresário da Indústria, realizado em Araguaína. A Fieto criticou a baixo nos investimentos do setor industrial e disse que o Tocantins não pode ser apenas um mero eixo viário

Luiz Henrique Machado – Araguaína

Mais de cem pessoas participaram quinta-feira, 27, em Araguaína, do Dia do Empresário da Indústria, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Tocantins – FIETO, em parceria com a Confederação Nacional das Indústrias – CNI. Na programação houve a palestra “Caminhos Para Um Melhor Resultado Tributário na Sua Empresa” e outras apresentações do Senai Tocantins, Instituto Euvaldo Lody e Sesi Tocantins. Em seu discurso, dirigido a políticos e representantes de onze sindicatos que integram o Conselho da Indústria junto à Federação, Roberto Pires, presidente da Fieto, relatou que a situação do Tocantins no cenário do Produto Interno Bruto – PIB, da Região Norte, requer atenção e destacou que o estado precisa retomar o crescimento, mas considera que, para isso acontecer, é “preciso haver um cenário favorável”.

Roberto Pires, da Fieto, preocupado com o eixo de desenvolvimento

Roberto Pires destacou que o Tocantins ocupa a quarta colocação em relação ao Produto Interno Bruto da Região Norte do país e lembrou que há 15 anos o governo do Estado chegou a aplicar 43% da receita líquida em obras e infraestrutura. “É inadmissível que hoje este índice esteja em 5%, impactando fortemente os setores da indústria, comércio e serviços”, criticou o presidente e disse que o país, como um todo, vive um momento de desindustrialização. “A gente anda muito preocupado e um dos gargalos é a alta carga tributária”, completou Roberto Pires.

A realização do Dia do Empresário da Indústria, em Araguaína, teve um objetivo: cooperar para a conscientização e preparação dos líderes destes segmentos a conviverem com os gargalos tributários e com a competitividade. Roberto Pires chamou a atenção ao fazer uma referência à logística do Tocantins. “Um estado que tem logística de escoamento que está se suplementando, como a Ferrovia Norte – Sul, a Hidrovia, a duplicação da Rodovia Belém – Brasília, se a gente não fizer a transformação aqui, nosso eixo será apenas um eixo viário e precisamos fazer do Tocantins um eixo de desenvolvimento. Não conheço um estado próspero que não tenha uma indústria forte”, afirmou.

Mudanças

Ronaldo:mudanças em benefício da indústria de Araguaína

Ao participar do evento, o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, afirmou que mudanças serão executadas para melhorar o setor industrial da cidade, que tem PIB de apenas 0,95%, está entre os maiores da região norte e é o maior polo econômico do Tocantins. Dimas afirmou que está implementando a legislação de modo que as empresas do setor de logística, serviços, indústria sejam atraídas. “É um trabalho muito grande, pois o setor industrial é muito importante e as portas estão abertas”, disse. “Pagar menos impostos é algo que brilha nos olhos de qualquer investidor”, completou.

Atualmente, Araguaína se destaca no setor do agronegócio, com três frigoríficos que produzem para o Brasil e outros países, ainda há dois laticínios, além de outras indústrias no setor moveleiro. “Nossa economia depende significativamente do setor industrial”, afirmou Ronaldo Dimas.

Qualificação

A diretora do Senai Tocantins, Raimunda Tavares, afirmou que a competividade do setor industrial precisa seguir algumas receitas e destacou os investimento do órgão para ajudar no avanço e nas necessidades. “Não tem como uma indústria ser competitiva se ela não tiver seu colaborar qualificado e por conta disso o Senai está investindo grandemente na ampliação de sua capacidade instalada para atender melhor, inovar e melhorar a necessidade que a indústria apresenta”, disse a diretora.

Sérgio Tavares, segundo à direita, com integrantes do Sigto em Araguaína

Sérgio Tavares, presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas do Tocantins – Sigto, relatou que só perde quem não participa de um evento como esse, com importante palestra para os empresários e troca de informações no setor. “A questão tributária é de extrema importância para o empresário e é fato ficarmos alheios às informações, nos preocupando mais com a produção dos processos enquanto nos esquecemos da gestão tributária. Isso leva muitos pequenos empresários ao fracasso”, explicou Tavares, fazendo um paralelo com o tema da palestra.

“No passado, as pessoas não levavam a questão tributária a sério. Hoje, com a modernização, isso está exigindo que o empresário ande com sua carga tributária em dia. Aquele que não tiver conhecimento e não levar isso a sério, mais rapidamente fechará as portas”, concluiu o presidente do Sigto.

Escreva seu comentário!